Você está em:

Institucional

Lei Geral de Proteção de Dados: tudo o que o pequeno empreendedor precisa saber

Publicado por Equipe Cielo

A partir de agosto deste ano, entra em vigor a Lei Geral de Proteção de Dados no Brasil. Com isso, todos os empreendedores, independentemente do porte, devem se adaptar em relação à coleta e armazenamento de dados de pessoas físicas para não quebrar nenhuma regra e prejudicar seu negócio.
Como conhecimento nunca é demais, vale a pena se informar sobre o tema e se prevenir de possíveis problemas. Por isso, decidimos fazer este conteúdo para ajudar todos os negócios, inclusive do pequeno empreendedor.
Vamos lá?
 

A LGPD se aplica somente às empresas de tecnologia?

Quando falamos de dados, logo muitos remetem o termo às empresas de tecnologia. Porém com essa nova lei não é bem assim. Ela é aplicável a todos os empreendimentos que coletem ou armazenem dados pessoais. Desde a farmácia que solicita o CPF para conceder desconto até o condomínio que pede algum documento para autorizar a entrada de visitantes.
Embora essa Lei de Proteção de Dados tenha chegado agora ao Brasil, o país já conta com outros mecanismos que acompanham o uso de informações pessoais, como o Código de Defesa do Consumidor e o Marco Civil da Internet.
 

E qual a diferença dessas e a LDPD?

A LGPD traz consigo uma sistematização com a definição das regras aplicáveis a dados pessoais e qual a forma correta de tratar todas as informações coletadas. Ela se refere, principalmente, à responsabilização e prestação de contas por parte das empresas.
 

Existe punição?

Sim. Quem não seguir as regras do jogo pode ter que arcar com multas de até 2% do faturamento, limitadas a R$ 50 milhões.
Uma coisa é certa: a LGPD fará que empresas mudem culturalmente. Agora, os empreendedores deverão ter mais responsabilidade com o armazenamento de dados de pessoas físicas.
 

Quais são os dados que a LGPD se refere?

É comum encontrar empreendedores que sequer sabem quais são os dados que a Lei Geral de Protração de Dados se refere. Por isso, acabam cometendo equívocos que podem prejudicar seu negócio.
Dados de identificação pessoal, como e-mail, CPF, nome, telefone, endereço, entre outros são citados nessa lei. Ela faz menção aos chamados dados identificáveis, ou seja, dados que não identificam uma pessoa diretamente, mas com o cruzamento com outras informações é possível localizá-la.
Além dessas informações, também existem os dados sensíveis, que são relacionados à condição de saúde, preferência política e religiosa, comportamento sexual e dados biométricos. Esses dados devem estar guardados com muita segurança.
 

Como estar dentro da lei?

Agora, para usar os dados dos clientes, todo e qualquer empreendedor precisará de uma coisa básica: o consentimento.
A partir do momento em que a Lei Geral de Proteção de Dados estiver em vigor, será necessário informar aos consumidores como essas informações serão usadas. Isso dá o direito do cliente não informar os dados solicitados.
Além disso, o consumidor terá direito ao esquecimento. Isto é, assim que ele solicitar, o empreendimento terá que apagar todos os seus dados pessoais. Já quando os dados forem de crianças e adolescentes, os pais devem consentir explicitamente.
 

Mas todo dado terá que ter o consentimento?

Não. A lei aponta bases legais como o Legítimo Interesse. Se uma loja, por exemplo, coloca câmeras espalhadas pelo estabelecimento como garantia de segurança, nesse caso não precisa de autorização. É considerado legítimo interesse e não precisa de consentimento.
Mas lembre-se: ainda assim são dados pessoais e devem ser tratado com cuidado, de acordo com a determinação da lei.
 

Pequenas e médias empresas: o que fazer?

A primeira coisas que você deve fazer é mapear as áreas que coletam dados pessoais dos clientes e melhorar a gestão das informações. Além disso, vale avaliar se o empreendimento realmente precisa de tudo que está sendo coletado.
Outro ponto muito importante: é preciso ter a conscientização de todos os departamentos da empresa para que essa adequação seja harmônica e deixe todos na mesma página. Por isso, é importante que haja uma comunicação interna muito sólida para que todos entendam esse período de adaptação.
Está inseguro quanto ao processo? Existem empresas de consultoria e sistemas especializados, que podem ser contratados para ajudá-lo nessa missão.
O uso de dados é uma realidade e deve se consolidar ainda mais nos próximos anos. Adaptar-se à lei trará novos custos e procedimentos aos empreendedores. Por outro lado, terá um negócio mais transparente, que assegura o direito à privacidade das pessoas.
A Cielo, como incentivadora do empreendedorismo brasileiro, acredita muito no potencial de adaptação do mercado nacional. Esse será apenas mais um desafio que vamos superar juntos.

Matérias mais recentes

Ver mais matérias

Portfólio de Soluções! Encontre a que melhor combina com você.

Portfolio de soluções encontre a sua.

Cielo LIO

A máquina inteligente que trabalha por você e economiza seu dinheiro.
Saiba mais
Portfolio de soluções encontre a sua.

Cielo FLASH

A maquininha ultraveloz para você vender muito mais
Saiba mais
Portfolio de soluções encontre a sua.

Cielo ZIP

Na Cielo Você ganha! sua maquininha de verdade.
Saiba mais

Entre em contato e prepare-se para vender mais:

Central de Relacionamento

4002-5472 (todas as localidades)
0800-579-8472 (exceto capitais)

Suporte Técnico

4002-9111 (todas as localidades)
0800-579-0111 (exceto capitais)

Ouvidoria

0800-570-2288